Acatemos a dor física como educadora da alma

Jul 26th, 2017 | By | Category: Artigos

000000ortotanasiaUma comovente batalha judicial dos pais de um bebê britânico em estado terminal acabou envolvendo até mesmo o Papa Francisco. Trata-se de Charlie Gard que sofre de síndrome de miopatia mitocondrial, uma síndrome genética raríssima e incurável que provoca a perda da força muscular e danos cerebrais. Ele nasceu em agosto de 2016 e, dois meses depois, precisou ser internado, onde permanece desde então, no Hospital Great Ormond Street, em Londres.

O serviço de saúde pública do Reino Unido (NHS) explicou que Charlie tem danos cerebrais irreversíveis, não se move, escuta ou enxerga, além de ter problemas no coração, fígado e rins. Seus pulmões apenas funcionam por aparelhos. O NHS disse que os médicos chegaram a tentar um tratamento experimental trazido dos EUA, mas Charlie não apresentou melhora. Por isso, defende o desligamento dos aparelhos que o mantêm vivo.

Mas seus pais, Chris Gard e Connie Yates – e uma comunidade de apoiadores -, lutam contra a decisão do hospital e pedem permissão para levar o bebê aos Estados Unidos para receber o tratamento experimental diretamente. No dia 27 de junho de 2017, entretanto, eles perderam a última instância do pedido na Justiça britânica, que avaliou que a busca pelo tratamento nos EUA apenas prolongaria o sofrimento do bebê sem oferecer possibilidade de cura.

A Corte Europeia de Direitos Humanos também concluiu que o tratamento “causaria danos significativos a Charlie”, seguindo a opinião dos especialistas do hospital, e orientou pelo desligamento dos aparelhos. No dia 02 de julho de 2017, após a decisão da Justiça britânica, o Papa Francisco pediu que os pais de Charlie possam “tratar de seu filho até o fim”. O Vaticano disse que o papa estava acompanhando o caso “com carinho e tristeza”.

O serviço de saúde pública do Reino Unido (NHS) não propõe a eutanásia, mas a ortotanásia [1]. Os pais de Charlie lutam pela distanásia, ou seja, desejam o prolongamento artificial do processo de tratamento, o que para os juízes e médicos tem trazido sofrimento para Charlie, e nessa situação a medicina não prevê possibilidades de melhoria ou de cura.

No Brasil, médicos revelam que eutanásia é prática habitual em UTI’s, e que apressar, sem dor ou sofrimento, a morte de um doente incurável é ato frequente e muitas vezes pouco discutido nas UTIs dos hospitais brasileiros. [2] Nos Conselhos Regionais de Medicina, a tendência é de aceitação da eutanásia, exceto em casos esparsos de desentendimentos entre familiares, sobre a hora de cessar os tratamentos.

Médicos e especialistas em bioética defendem a ortotanásia, como no caso de Charlie Gard, que é o ato de retirar equipamentos ou medicações, de que se servem para prolongar a vida – Charlie hoje se encontra em estado terminal. Ao retirar esses suportes de vida (equipamentos ou medicações), mantendo apenas a analgesia e tranquilizantes, espera-se que a natureza se encarregue de agenciar a fatalidade biológica (morte).

Charlie está sofrendo com intensidade? Sim, está! Mas toda dor tem a sua serventia. Sob o ponto de vista espírita, aprendemos que a agonia física prolongada pode ter finalidade preciosa para a alma, e a moléstia incurável pode ser, em verdade, um bem. Nem sempre conhecemos as reflexões que o Espírito pode fazer nas convulsões da dor biológica e os tormentos que lhe podem ser poupados graças a um relâmpago de arrependimento.

Entendamos e acatemos a dor física, como instrutora das almas e, sem vacilações ou indagações descabidas, amparemos quantos lhes experimentam a presença constrangedora e educativa, lembrando sempre que a nós compete, tão-somente, o dever de servir, porquanto a Justiça, em última instância, pertence a Deus, que distribui conosco o alívio e a aflição, a enfermidade, a vida e a morte no momento oportuno.

O verdadeiro cristão porta-se, sempre, em favor da manutenção da vida e com respeito aos desígnios de Deus, buscando não só minorar os sofrimentos do próximo – sem eutanásias passivas, claro! – mas também confiar na justiça e na bondade divina, até porque nos Estatutos de Deus não há espaço para dores injustas.

Jorge Hessen

jorgehessen@gmail.com

Notas:

[1]Etimologicamente, a palavra “ortotanásia” significa “morte correta”, onde orto = certo e thanatos = morte. A ortotanásia, ou “eutanásia passiva” pode ser definida como o não prolongamento artificial do processo natural de morte, onde o médico, sem provocar diretamente a morte do indivíduo, suspende os tratamentos extraordinários que apenas trariam mais desconforto e sofrimento ao doente, sem melhorias práticas.

[2]Associação de Medicina Intensiva Brasileira nega que a eutanásia seja frequente nas UTIs no Br

Tags: ,

3 Comments to “Acatemos a dor física como educadora da alma”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Essa é uma questão que ainda vai dar pano pra manga, eu creio.

    Os médicos (Ciência) não veem, naturalmente, no prolongamento da dor a justiça divina. Não podem compartilhar com isso, pois tratam o corpo, não o espírito, e abstraem que aquele indivíduo possa estar aprendendo com o sofrimento com que deparou, e que esta não seja a “sua hora”. Como não veem possibilidades para a cura do corpo, e o atalho passa a ser a opção mais conveniente e lógica.
    Assim, não vendo uma alternativa que reverta o que avaliam como impossível – como no caso de Charlie -, também não veem sentido no prolongamento dessa agonia.
    Geraldo Magela Miranda

  2. Irmãos W diz:

    Olá
    Amigos…

    Se acreditamos que existe somente uma vida…Que a vida acaba com a morte… Numa visão estreita… A Eutanásia, suicídio… Parece um ato legal…
    Mais se somos imortais… E possuímos muitas vidas… E que todos seres humanos… Tem um objetivo final…Que e a evolução… Traçado por Cristo…
    O ser que nasce com estas deformidades genéticas… Tem um objetivo… Perante as centenas de encarnações que teve…. E esta vida… E somente uma pequena página… Em seu espírito imortal…
    Confiemos em Deus
    E oremos a estas pessoas… Que nascem nestas condições… Pois o que achamos… Desgraças… Muitas vezes são remédios amargos… Que servem para curar o seu espírito imortal…

    Jesus foi peremptório quando encontrou o homem que fora paralítico durante 38 anos e que ele curara, ao dizer-lhe: “Olha, agora já estás curado. Não peques mais, para que não te suceda coisa pior” (Jo.5:14).

    Fiquem com Deus
    Wanderlei

  3. PEDRO ILHO diz:

    Ninguém tem o direito de abreviar a prova de ninguém, como já disse o próprio Jorge, a justiça por ultima instância pertence a Deus. Sabemos lá qual a provação desse espírito? Se ele está passando por isso deve ter alguma coisa que não compete a nós sabermos, e sim à sabedoria Divina. E´somente ela; a criança; e os seus familiares que estão passando por isso que tem que resgatar essa dívida com a providência Divina, e o homem só tem é que colaborar com isso até o fim.

Deixe um comentário