Adolescentes que “casam” e ou engravidam precocemente

Abr 9th, 2018 | By | Category: Artigos

 

000000000000003 - CopiaEstreando mais cedo na prática sexual e estando mais suscetíveis às influências dos adultos, as adolescentes são vítimas das induções psicológicas da sociedade. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, os últimos disponíveis, indicam que 877 mil mulheres que têm hoje entre 20 e 24 anos se “casaram” quando tinham até 15.

Segundo estudo realizado pelo Instituto Promundo entre 2013 e 2015, Maranhão e Pará são os Estados com maior prevalência de “uniões” precoces. O levantamento mostra que as meninas se “casam” e têm o primeiro filho, em média, aos 15 anos. A pesquisa atribui o “casamento” infantil a três causas principais.

A primeira é vulnerabilidade das comunidades, caracterizada por baixos níveis de escolaridade e infraestrutura, e fraca presença do Estado. Em segundo lugar, as adolescentes querem sair da casa dos pais porque desejam começar a namorar e, por isso, veem no “casamento” uma forma de fuga das proibições dos pais. A terceira causa é a fragilidade das estruturas familiares, que leva as meninas a buscar estabilidade e segurança fora de casa.

A ânsia por liberdade, a desestrutura familiar e a vulnerabilidade das comunidades atingem também os grandes centros urbanos, especialmente a periferia das cidades. É o retrato de um Brasil sacudido por uma violenta crise ética, alimentada pela petulância e cinismo presentes nalguns juízes do ineficaz STF (nossa suprema corte de justiça) e da desonestidade de políticos que deveriam dar exemplo de integridade moral e honradez.

A responsabilidade também pode ser compartilhada com o povo, com os governantes, com os formadores de opinião e pais de família, que, num exercício de anticidadania, aceitam que uma nação além de corrupta seja ainda definida no exterior como o poleiro do sexo fácil, barato, descartável. É triste, para não dizer trágico, ver o Brasil ser citado como um paraíso cultural de promiscuidade, corrupção, um oásis excitante para os turistas que querem satisfazer suas taras e fantasias sexuais com crianças e adolescentes conterrâneos.

A juventude está atônita, sem alicerces morais intensos, ofuscada, com influências extremamente sensualistas. Nas crônicas históricas, jamais um jovem teve contato tão aberto com mensagens erotizantes como nos dias atuais, graças à Internet. Esse trágico quadro moral nos remete à filosofia do prazer que impulsiona a recondução do adolescente à era das cavernas, fazendo-o mergulhar nos subterrâneos das orgias e ali entregando-se à fuga da consciência e do raciocínio pela busca do deleite alucinado pelo prazer imediato do sexo.

No Sudeste brasileiro há casos em que meninas de 10 a 12 anos, frequentadoras dos típicos bailes (funk e análogos) engravidam. No Nordeste há diversos casos de aliciamento de menores, muitas vezes abusadas pelos próprios pais. Cada vez mais cedo, e com maior magnitude, as excitações da criança e do adolescente germinam adicionadas pelos diversos e desencontrados apelos das revistas libertinas, da mídia eletrônica, das drogas, do consumismo impulsivo, do mau gosto comportamental, da banalidade exibida e outras tantas extravagâncias, como espelhos claros de pais que relaxam em demorar-se à frente da educação dos próprios filhos.

Uma adolescente que “casa” e ou engravida precocemente é, sem dúvida, uma pessoa cujos direitos foram violados e cujo futuro fica comprometido. O “casamento” e ou gravidez precoce ecoa a indigência e a repressão de cúmplices (família e comunidade). Não obstante esse caótico cenário, há muitas adolescentes que têm atividade religiosa oferecendo um conjunto de valores morais que as encoraja a desenvolver comportamento sexual equilibrado.

De ordinário, uma adolescente evangelizada, fiel ao recado de Jesus (independente do rótulo religioso que abrace), é, quase sempre, bastante rígida no que diz respeito à constituição familiar e abstenção da prática sexual pré-marital.

Lembremos que pais equilibrados produzem lares equilibrados; lares equilibrados resultam em filhos equilibrados, mesmo que resvalem em algumas compreensíveis e pequenas falhas humanas.

 Jorge Hessen

jorgehessen@gmail.com

 

Tags:

4 Comments to “Adolescentes que “casam” e ou engravidam precocemente”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Meu caro Jorge, se pra nós a luta de criar filhos equilibrados já não é nem um pouco fácil, imagina nesses bolsões de indignidade que são essas periferias pobres dos centros urbanos.
    Ali parece que a toada vem em contra o que conceituamos como dignidade. A malandragem toma conta do “pedaço”, e o resultado quase que necessariamente é pobreza moral e de espírito.
    Geraldo Magela Miranda

  2. IRMÃOS W diz:

    Olá

    Amigos…

    Este artigo foi de grande maestria… NÃO TIRO UM PONTO!!!

    MAIS… EM TODOS OS FATOS CITADOS… SE PERCEBE… A FALTA DOS ENSINAMENTOS DE CRISTO ACRISOLADOS … ALIADOS A IGNORÂNCIA DE SEUS ENSINAMENTOS….

    POR ISTO QUE SOMOS UM MUNDO DE REGENERAÇÃO….

    QUEM SÃO OS JOVENS ATUAIS??? ESPÍRITOS VELHOS… CARREGADOS DE VICIAÇÕES DE OUTRAS VIDA!!!

    SENDO ASSIM… NÃO A OUTRO CAMINHO!!! DIVULGAR E DIVULGAR O ESPIRITISMO… POIS SOMENTE ELE QUE E O FAROL QUE NOS GUIARÁ COM CRISTO/KARDEC!!!

    FIQUEM COM DEUS

    WANDERLEI

  3. Ione Pinheiro Guimarães diz:

    Como sempre, parabéns pelo texto!!

  4. Francisco Atos Maglia diz:

    Sr Jorge ,
    Muito bem colocadas as suas considerações, sabemos que não é fácil, mas não podemos nos acomodar e sim continuar, para que aos poucos a mentalidade de nosso povo, possa ir melhorando.
    As suas considerações deveriam estar em letras garrafais em todas as mídias.
    Sera que isto poderia ser viabilizado? de algum modo?
    Francisco Atos Maglia

Deixe um comentário