Consciência, disciplina e livre arbítrio

Jan 2nd, 2018 | By | Category: Artigos

0000000000000002Se compreendêssemos melhor os mecanismos das Leis divinas, que não estão contidas nos livros nem nas instituições religiosas, mas na própria consciência, evitaríamos infortúnios, ambições e desonras que definitivamente não estariam em nosso roteiro. Precisamos refletir as Leis de Deus, a fim de nos conscientizarmos sobre seus mecanismos, que desfecha tanto reparações (reeducações), quanto bonificações surpreendentes, sempre justas, judiciosas e controladas pela própria consciência autônoma (livre arbítrio), as quais expressam a resposta da Natureza, ou da Criação, contra a desarmonia constituída ou submissões aos códigos divinos inscritos na consciência do homem em seus suaves aspectos.

Nos estatutos de Deus não há espaço para “punições”. Ninguém está sujeito ao império estranho do “castigo”, pois este também não existe. Os altivos regulamentos do Criador, que estão inscritos na própria consciência, demonstram que a semeadura rende sempre conforme os propósitos do semeador. Ora, em verdade, a cada um a vida responde conforme seus esforços ou não de autoaperfeçoamento moral; portanto, não há exceções para ninguém. Por essa razão, fazer o bem determina o bem; demorar-se no mal gera a aflição. Por isso, importa a disciplina individual e coletiva, tão necessárias ao equilíbrio e harmonia da Humanidade.

O principal meio de modificar para melhor o resultado das nossas ações reside no controle das nossas vontades, pensamentos, palavras e ações, pois à medida que nos conhecemos melhor, reduziremos ou modificaremos as desarmonias de consciência e seremos mais independentes para decidir sobre nosso destino.

Após a desencarnação permanecem os resultados de todas as imperfeições que não conseguimos melhor graduar na vida física. A Lei divina da consciência sobre si mesmo institui que felicidade e desdita sejam reflexos naturais do grau de pureza ou impureza de cada um. A maior felicidade reflete a harmonia com essas leis, enquanto a desatenção aos próprios desejos causa sofrimento e privação de alegria. Portanto, todo crescimento moral alcançado é fonte de gozo e atenuante de sofrimentos.

Toda imperfeição, assim como toda falta dela decorrente, traz consigo o próprio sofrimento, inerente natural e inevitável da Lei “interna”. Assim, a moléstia retifica os excessos e da ociosidade nasce o tédio, sem que haja imposição externa de “punição” ou condenação especial para cada falta ou indivíduo.

Jorge Hessen

Tags: ,

2 Comments to “Consciência, disciplina e livre arbítrio”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Belo texto, Jorge, de muita clareza e iluminação.
    A consciência é a verdadeira orientadora da humanidade, por isso a educação é tão valiosa em nossa vida, e educação significa o verdadeiro crescimento, não é mesmo?

    Abraço.
    Geraldo Magela Miranda

  2. irmãos W diz:

    Olá
    Caros….

    Somos criados por Deus… Sendo assim… Possuímos a semente divina dentro de nós…

    Os amigos espirituais… Nos ensinam… Que a vida e um aprendizado… Para os nossos espíritos imortais… Somos imperfeitos… E estamos rumo a perfeição conforme nos ensina Cristo… Se não for nesta reencarnação será na próxima…

    Sendo assim… Se erramos e a nossa consciência pesa…Se bebemos todo o cálice… Realizando todas as obras contra o criador do universo… Devemos seguir o que Cristo nos ensina… O Amor encobre a multidão de pecados!!!

    Despojando… De nosso passado tenebroso… E confiando no senhor do universo… Que conforme fala Cristo… O PAI VOS AMA IMENSAMENTE…

    Sigamos na trilha no Nazareno Da Galileia… Que nos deixou 02 mandamentos… Seguindo Passo a passo… Olhar a frente!!! Frente a vitória contra nós mesmos!!! No burilamento espiritual..

    O nosso Deus e de amor… Conforme nos Ensina Cristo… Não um carrasco ou um juiz implacável… Que nós vai golpear!!!

    Fiquem com Deus

    Wanderlei

Deixe um comentário