Culpa e sentimento de rejeição (*)

Jul 23rd, 2019 | By | Category: Artigos

rejeiçãoAnte os delitos morais cometidos, há pessoas que introjetam a autorrejeição, implantando na consciência a chaga da culpa. Por efeito disso, sentem-se rejeitadas por todos, ao invés de trabalharem pela reparação do erro. Até porque se não o fizer de imediato arremessará para a encarnação seguinte os conflitos conscienciais incrustados.

Há os que arriscam camuflar os delitos, porém ocultar conflitos culposos não libera a consequência do desacerto, porquanto as desordens íntimas surgirão na forma de enfermidade física, emocional ou psicológica. Por conseguinte, projetarão suspeitas infundadas nos outros, receando serem identificados e desmascarados.

Na atual existência existem diversos casos de autorrejeição dos transgressores das leis divinas da consciência. São aqueles que na juventude, na “calada da noite”, fizeram abortos criminosos e receiam serem descobertos. Há os que cometeram vis adultérios e buscam esconder-se dos outros e sob a chibata da culpa temem ser revelados a qualquer momento. Esses são casos infrequentes, os menos raros são os culpados por crimes esquecidos de reencarnações anteriores. Daqueles que trazem a mácula perante a consciência e como não se superaram nas vidas anteriores, permanecem hoje alimentando culpas.

Mesmo que os demais não descubram seus crimes e os desmascarem, o movimento de autorrejeição delonga a expansão. Quando não se tem consciência desse processo e não há coragem (ação pelo coração) para reparação do erro, o mecanismo de autorrejeição se aprofunda e o culpado cria inimigos em todos os lugares. Guiados pelo imaginário, permanecem em estado de paranoia culposa. Por consequência, conservam os níveis egocêntricos, neuróticos e transformam uma situação imaginária em acontecimento real.

Desse modo, encharcados pelo psiquismo autodefensivo agridem os outros.  Sentem-se sucessivamente invadidos na intimidade e atacam o próximo. Sob o mecanismo psicológico de projeção creem que os outros os julgam, condenam e punem, razão pelo qual vivem se precavendo contra tudo e contra todos.

No estado paranoico da culpa, decorrente dos crimes cometidos no passado, mesmo que esquecidos, o culpado se sente criminoso e entende que a qualquer momento será desmascarado e sob nessa alucinação acredita que os outros o estão perseguindo.

As leis divinas não são punitivas, elas são amorosas, educativas (provacionais) e reeducativas (expiatórias).  Certamente violações às leis morais incidirão na economia espiritual, precisando de reparação dos agravos. Não necessariamente numa reencarnação imediata, até porque, atualmente, muitos poderão estar reparando crimes de dez encarnações anteriores. Ademais, será necessária a dor para reparação dos erros? Cremos que não. O caminho seguro será o desenvolvimento das virtudes do coração, atuando com autoamor e amor ao próximo.

A autoconsciência e o autoperdão são mecanismos que tornam dispostos os infratores para reparação do delito. Sendo que a evolução espiritual ocorre tanto na horizontal como na vertical da vida. A dor é o aguilhão que impele a evolução na horizontal. O transgressor sofre até o limite do cansaço e no esfalfamento observa que não há outra alternativa, senão fazer o BEM, decidindo daí galgar na vertical da vida.

Nos casos em que os conflitos culposos são muito intensos, são necessários tratamentos psicoterápicos para recuperação. Dificilmente o culpado se liberta sozinho das desordens concienciais, porque a culpa incrustada na mente pesa muito no psiquismo, daí a necessidade terapêutica para que o culpado compreenda a realidade como ela é e não da forma como crê que seja.

O estado de culpa acarreta a obsessão. O processo obsessivo, de modo geral, não começa no obsessor, porém nas matrizes conscienciais do culpado autorejeitado que se movimenta psicologicamente no autojulgamento, autocondenação e autopunição, cunhando aí o plugue mental, quando esbugalha a mente para o complexo obsessivo. Metaforicamente expondo, a culpa é o plugue mental que favorece a obsessão.

Na verdade, muitos processos obsessivos não são evidentes, porém sutis e intensos. A intensidade é a alienação e a sutilidade é a intervenção sorrateira do obsessor sem que o obsedado perceba. Deste modo  é hipnotizado e condicionado a práticas malsãs, passando uma existência espiritual e sutilmente  perseguido. Muitas vezes só se dá conta da obsessão após a desencarnação.

A melhor terapia para a culpa é o exercício do Evangelho como convite para afastar-se do egocentrismo e centrar-se na essência divina que É. Esse é o caminho para a libertação dos movimentos egocêntricos e egoicos. A prática da leitura edificante, os afazeres da caridade necessariamente para consigo, e em seguida a caridade real com o próximo “sem assistencialismos inócuos”, a participação das atividades do centro espírita , em geral  podem promover o espírito imortal e auxiliar todos os envolvidos.

Quando dissemos “sem assistencialismos inócuos” afirmamos que a maior caridade não é a material, mas a espiritual que precisa ser exercida sob o símbolo da benevolência para com todos, indulgência para com as faltas alheias e perdão das ofensas. Que são exercícios práticos para que as pessoas se desvencilhem da monoideia da culpa. Nesse movimento de exercícios espíritas cristãos, a mente não mais permite a introdução das ideias dos obsessores e a pessoa realiza as ações práticas, que são bastante trabalhosas, mas impulsionam a evolução na vertical da vida. É como ascender numa escada aprumada e muito íngreme , mas poucos são aqueles que se dispõem a elevar-se , a maioria permanece rezingando dizendo que a vida é “madrasta” sem fazer esforços reais para a ascensão.

Com as práticas cristãs as pessoas realizam ações concretas consigo mesmas e com o próximo, trabalhando não mais no movimento paranoico da culpa, porém no movimento harmonizador de si mesmas e dos outros, ,porém isso não se consegue por promessas labiais, mas por ações efetivas. A medida que vamos amadurando a consciência, priorizamos o que é essencial e colocamos o ego a serviço do eu espírito imortal.

Nas condições humanas ainda temos uma estrutura egoica, todavia somos essência divina. Contudo, acreditamos que somos o ego, mas não somos. Quando expandimos a consciência percebemos que temos um ego, mas somos essência divina. Ter o chamado ego não é problema. Embora ele ainda traga a sua ignorância, porquanto moureja na dimensão do não saber, do não sentir e do não vivenciar as leis divinas,  o ego precisa ser iluminado pela essência divina que somos.

A autorrejeição comumente não surge de forma evidente, porém veladamente. Surge muitas vezes na condição de complexos de inferioridade ou de superioridade. Aparece com a tendência de solidão , de rejeição ou por inveja dos outros.

O culpado rejeita todos os que trabalham pela autorrenovação. Porque estes estão dando exemplo para ele. Identifica nos outros um “espelho” retratando o comportamento que deveria ter, mas que não se dispõe a tal. Em face disso, rejeita e repudia o “espelho” , arremessa-lhe pedra para fragmentá-lo, para não ver a imagem da renovação que deveria buscar. Deste modo, mantém-se preguiçoso e acovardado para a autorrenovação moral. O “espelho” saindo da sua vista não ficará todo momento recomendando e cobrando o que deve fazer.

Em síntese, é urgente que afastemo-nos da chaga chamada culpa e utilizemos a razão para o equilíbrio íntimo, a fim de que possamos reparar o mal que fizemos no passado. Trabalhemos com penhor e segurança pelo progresso individual e coletivo, até porque a culpa nos transforma em pesos mortos na economia ativa da sociedade e não conseguiremos realizar nada de bem, belo e bom para ninguém sob o guante da culpa.

Jorge Hessen

 

(*) Fonte:

Projeto Espiritizar / FEEMT – Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=_7HRHX1Z-MI&list=PL1r1wspRthZQrAp3ok5owfAPGldFn79nV&index=3 acesso 22/07/2019

Tags: ,

5 Comments to “Culpa e sentimento de rejeição (*)”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Texto primoroso, meu caro Jorge.
    É cristalina a metáfora do espelho, que não queremos deparar pela covardia o egocentrismo, e continuarmos tratando a vida como “madrasta”, e não como mãe verdadeira para o crescimento e desenvolvimento moral, nosso e de todos.
    Parabéns.
    Grande abraço.
    Geraldo Magela Miranda

  2. Caro amigo Jorge Hessen
    A culpa é de verdade uma chaga que acaba definindo o comportamento humano com ‘olhar para trás’ e psiquismo doente.
    Parabéns pelo texto.
    Uma abraço!

  3. Willame Magalhães Lopes diz:

    Muito Bom o artigo ! Meditativo !
    Obrigado irmão Jorge!

  4. PEDRO ILHO diz:

    A culpa é como se fosse um juiz severo a nós condenar a todo os instantes de nossa vida. Há muitos anos atrás, (um caso real), um indivíduo, na zona rural, matou um trabalhador na roça onde estava trabalhando, matou, comeu sua marmita de comida q o trabalhador tinha para o almoço. Comeu e seguiu seu destino, lugar deserto, ninguém viu. Passaram-se alguns dias surgiu o problema; tudo q esse homicida ia fazer, na mente dele aparecia o trabalhador e tomava- lhe da mão, ia beber água, tomavam-lhe a caneca, ia comer a mesma coisa, ia dormir acordava sufocado com alguém lhe afogando, e assim passaram-se 8 anos, ele virou andarilho, até q um dia passando por uma cidade no interior paulista, resolveu ir até a Delegacia e contar a sua história.
    entrou chamou o delegado e contou tudo o q lhe acontecia, e o q tinha feito a oito anos atrás q não conseguia dormir, q não conseguia comer quando lhe davam comida e água. O Delegado chegou a ficar c/ dó, mas processou-o por homicídio confesso. Pegou 25 anos de reclusão onde foi recolhido ao Presídio em São Paulo. É, a culpa é um Juiz mais severo q existe!!!

  5. WANDERLEI diz:

    CAROS
    AMIGOS EM CRISTO!!!

    Existe uma vertente… Que prega que Cristo… Ao morrer na cruz… Assumiu todos os pecados da humanidade….

    Mais…. O Espiritismo nos alarga… A visão de espíritos imortais….

    Nas múltiplas existenciais que tivemos… O nosso passado… Mesmo que nossa reencarnação atual não se lembramos…. Vai nos atrair a estado emocionais negativos….Ou positivos….

    Cristo… Nos ensina… Que o amor cobre a multidão de pecados… Esta formula que devemos usar no dia a dia…. Seguindo os 02 mandamentos… Que o mestre nos ensinou,,, Vai nos trazer uma melhor sintonia… PARA RUMAR A FELICIDADE QUE TODOS ALMEJAMOS…..

    WANDERLEI

Deixe um comentário