ENVELHECER É UMA ARTE E UMA CIÊNCIA

Ago 11th, 2014 | By | Category: Artigos

8fad4ede707a242a82a79b6b003e5d34Anne Leitrim, uma inglesa de 70 anos de idade, residia sozinha em Bournemouth, no sul da Inglaterra, e foi encontrada morta no quarto do seu apartamento (após seis anos). Os vizinhos supunham que ela tinha se mudado e a família (pasmem!) não sentiu sua ausência durante todo esse tempo. Diante do caso, o servidor Cliff Rich, membro da organização Contact the Elderly, instituição filantrópica de apoio a idosos, alegou que muitos anciães são praticamente “invisíveis” para o resto da sociedade inglesa. 1
Observemos que estamos diante da sociedade mais conservadora da Terra, tida como de “primeiro mundo”, onde se apregoa muito a importância do “bem-estar” dos idosos britânicos. “No Brasil, alguns sociólogos afirmam que, se um país como o nosso precisa de um “estatuto dos idosos” (ou seja, de uma lei), para lembrar a respeitabilidade deles, isso indica que algo está muito errado com a sociedade.”. 2
Certo dia escutei um cidadão (brasileiro) na fila do cartório, esbravejando que o direito do idoso era uma incoerência, um exagero. Revoltado, arrazoava: “vamos ao banco, ao cinema, em qualquer fila, até as de emergência, e aquele montão de pessoas passa na nossa frente se dizendo “preferencial”. Quem é idoso? A pessoa às vezes nem tem 60 anos, anda de sapato esportivo (tênis), usa óculos Ray Ban, está magnificamente arrumada, mulheres maquiadíssimas, homens arremessando glamour e dizem “sou idoso”. E lá ficamos nós, otários, para trás. Acho que há muita indolência. Até office velho os escritórios arrumaram… Empréstimos, décimo-terceiro antecipado, medicamentos e trabalho? Tudo é para eles, e nós, que estamos na idade adulta e necessitada, o que sobra para nós? O governo devia pensar em todos, mesmo porque ser idoso não é ser minoria”.
Sem entrar em disputa com tal indignado cidadão, cabe-lhe recordar que não se pode generalizar jamais numa circunstância dessas. O processo envelhecer demanda uma atenção especial em virtude das modificações biológicas, psicológicas e sociais, sendo necessária uma maior atenção por parte da sociedade e formulação e efetivação de políticas públicas voltadas para o idoso. Em muitas culturas e civilizações, principalmente as orientais, o idoso é visto com respeito e veneração, representando uma fonte de experiência, do valioso saber acumulado ao longo dos anos, da prudência e da reflexão, enquanto em outras o idoso representa “o velho”, “o ultrapassado” e “a falência múltipla do potencial do ser humano” – é lamentável!
A História mostra que o envelhecimento do corpo de muitos anciãos não se processou em paralelo, para quem soube cultivar o Espírito. A idade cronológica não representou barreiras para Giuseppe Verdi, compositor italiano, que aos sessenta anos compôs “Aída”; com mais de setenta e quatro, “Otelo”, e aos oitenta e quatro completa três imorredouras páginas religiosas: “Ave Maria”, “Stabat Mater” e “Te Deum”. Pablo Picasso, o genial pintor espanhol, aos noventa e um anos, cria; Winston Leonard Spencer Churchill, septuagenário, foi a alma da resistência na Segunda Grande Guerra, e morre aos noventa e um anos em plena contribuição social.
Que falar ainda de Albert Einsten, Thomas Edison, Albert Schweitzer, Louis Pasteur, Alexander Fleming, Konrad Hermann Joseph Adenauer, Bertrand Russell, espíritos altamente produtivos aos setenta, oitenta, noventa anos de idade física, que não se entregando à vida contemplativa, permanecem vivos até hoje, quando pelos efeitos de suas descobertas, invenções, ideias e ideais se mantiveram produtivos, interessados, interessantes e atuantes, apesar, do envelhecimento físico.
Cremos que a decrepitude deveria ser encarada como venturosa pelo que contém de gratificante, mormente por causa das longas refregas das buscas e das realizações. Envelhecer é uma arte e uma ciência, se buscarmos rejuvenescer nossa alma. Há idosos que conquistaram a longevidade de forma sadia e feliz, contudo muitos estão largados nos asilos da vida, amargando suas enfermidades no isolamento. Há os que aceitam sua decrepitude sem rezingar e sem exigir nada dos outros; todavia igualmente indiferentes não oferecem nada a ninguém.
Dizem que a idade avançada é a noite da Vida, entretanto, a noite pode ser bela, clara, toda ornamentada de estrelas e constelações, luar e claridade a se esparzirem de uma longa vida cheia de virtude, bondade e honra! O entendimento espírita vê a idade avançada como o outono no tempo, fase normal, necessária, imprescindível na sucessão harmônica dos objetivos e funções da encarnação, envolta, igual a todas as outras, nos dons da Natureza, nas bênçãos de Deus.

Jorge Hessen

Referências:
1 Disponível em http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/06/britanica-e-achada-morta-em-apartamento-apos-6-anos.html Acessado em 08/08/2014
2 Disponível em http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes acessado em 09/07/014

Tags: , ,

6 Comments to “ENVELHECER É UMA ARTE E UMA CIÊNCIA”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Bem, mas que caso curioso o dessa senhora que foi encontrada morta depois de seis anos. Uma coisa espantosa essa indiferença com a velhinha. Realmente lamentável.
    Mas é coisa que ocorrerá a todos nós, não é mesmo? E estou de acordo que os anciãos têm de ser mais respeitados, não só pela sua fragilidade mas pelo acúmulo de sabedoria que colheram durante sua caminhada. Mas há o preconceito pelo envelhecimento, infelizmente, e muitos são maltratados por conta disso. Eu mesmo gostaria de não dar muito trabalho para os meus familiares. É penoso isso.

    Vamos em frente rumo ao envelhecimento do corpo, e que possamos manter a mente em forma. Isso sim é o grande lance do ocaso da vida.

    Grande abraço.
    Geraldo Magela Miranda

  2. Velhice só após os 75 anos.
    Vamos lembrar também que apenas 5% estão vivendo em recanto de idosos e que a Organização Mundial de Saúde aponta para a velhice apenas após os setenta e cinco anos e ainda que podemos e devemos realizar cirurgias plásticas espirituais, para não ficarmos parecidos com aquela bruxa do conto infantil.
    A maior parte dos idosos não apresenta sinais consideráveis de decadência das aptidões físicas e mentais, o que lhes permite vida social, econômica e espiritual produtiva. Ticiano pintava aos 75 anos e Miguel Ângelo aos 89 trabalhava em Pietá.
    Veja “EDUCAÇÃO NA IDADE DOURADA”
    http://www.oconsolador.com.br/ano5/235/especial.html
    http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2011_10_01_archive.html

  3. Carlos Alberto diz:

    Um belo texto sobre uma importante fase da vida. O envelhecimento ocorre naturalmente na fisiologia do corpo. Se em equilíbrio, as funções motoras declinam mas sob o império do Espírito a mente continua tão ou mais produtiva do que antes porque os acervos acumulados podem ser trabalhados e continuarem a produzir frutos úteis como aqueles dos nomes citados.
    Os mais jovens que desrespeitam hoje a velhice seguramente serão os idosos de amanhã vazios de vida e conteúdos, necessitando ainda mais da proteção social.
    O futuro que encontraremos depende da construção do presente: está na lei, a cada um segundo suas obras.
    Chico Xavier deixou uma preciosa reflexão quando disse que as nossas boas obras serão nossas advogadas de defesa onde quer que estejamos. Por que não começarmos agora cuidando em agir melhor conosco, com os demais irmãos da criação, e dentre eles, os mais velhos?
    Fraternalmente,
    Carlos Alberto

  4. quem envelhece eh o corpo,o espirito ,continua ativo.seja,60,70,80,90.

  5. PENSAR QUE ANTIGUAMENTE EN LAS CIVILIZACIONES INDIGENAS A LAS CUALES RESPETO, LOS ANCIANOS ERAN CONSIDERADOS LOS SABIOS Y TENIAN EL PODER DE LAS DECISIONES IMPORTANTES DE LA TRIBU.
    TENGO CONOCIMIENTO DE UNA SEÑORA AMIGA DE MIS PADRES QUE TENIA 90 AÑOS, ERA CIEGA PERO REALIZABA TRABAJOS MUY IMPORTANTES DE VIDENCIAS CON SU MEDIUMNIDAD, AYUDANDO HASTA ULTIMO MOMENTO. REVERENCIEMOS A LOS ANCIANOS, QUE SI BIEN A VECES NO PARECEN TAN ANCIANOS PERO LAS CICATRICES DE GUERRAS CON LAS ENFERMEDADES Y CON LA VIDA ESTAN ADENTRO, DEBAJO DE LAS ROPAS Y EN EL CORAZON

  6. Hélio Carneiro diz:

    Tenho 73 anos, uso sapato esportivo (tênis) e óculos Ray Ban – não deixo de ser idoso (tenho os meus direitos) . Realmente o cidadão que estava na fila do Cartório é um grande idiota. Será que ele vai chegar a ser idoso?
    Muita paz!
    Hélio Carneiro

Deixe um comentário