ESPIRITISMO PERANTE AS NOVAS TECNOLOGIAS

Dez 12th, 2014 | By | Category: Artigos

virtualPor que será que o mundo virtual vem fascinando mais do que a vida que se levava 30 anos atrás? Permanecer neste mundo utópico, seduzidos pelas ondas eletromagnéticas da Internet, diante das novas mídias, será por desconfiança? Timidez? Sujeição? Carência de amor próprio? Insegurança? Solidão? Ou será ingênuo encantamento, necessidade de aventuras, realização de feitos inenarráveis, ultrapassar limites, provocar reações e alvoroços…?

A rigor, a Era Tecnológica e o mundo virtual têm ampliado e facilitado a vida humana em face do rápido acesso à informação. Nesse contexto, a Internet é a maior rede mundial de comunicação, ligando centenas de milhões de computadores, smartphones , tablets, iPhone, iPad com enorme quantidade de pessoas de interesses variados, seja nos negócios, nas pesquisas, no lazer, na comunicação, e tantas outras áreas quanto se possa imaginar.

Estatísticas comprovam que os britânicos passam quase metade do dia consumindo mídias; e “o Brasil tem um dos maiores índices globais de uso diário de smartphones. Os dados mais recentes do Ibope/Nielsen calculam em 54,4 milhões o número de usuários da internet em casa e no trabalho.” [1] Na Pátria do Evangelho o tempo médio de navegação na web tem sido de 65 horas e 11 minutos por pessoa e pesquisa da consultoria Accenture aponta que o Brasil liderou as compras de celulares e TVs HD em 2010.

A psicóloga Christine Grant adverte que “os impactos negativos dessa cultura do ‘sempre ligado’ são que a sua mente nunca descansa, você não dá ao seu corpo o tempo para se recuperar e fica sempre estressado.” [2] Por outro lado, Chris Kozup, diretor da empresa de telecom Aruba Networks, afiança que nem tudo é negativo, pois há estudo conduzido pela própria empresa mostrando que essa ideia de estar ‘sempre ligado’ está, na verdade, ajudando os trabalhadores a gerenciarem o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. [3]

É evidente que o uso exagerado dos aparelhos tecnológicos torne as pessoas mais ausentes. Basta observemos que não são poucas as pessoas que se distraem de uma tarefa para checar seu perfil nas redes sociais, ou perdem uma conversa na mesa do restaurante porque vão responder mensagens no smartphone etc. Pesquisas mostram que nossa concentração média é de 3 a 5 minutos antes que acabemos nos distraindo, no estudo ou no trabalho. A maioria dessas distrações são tecnológicas (alertas de mensagem, “torpedos”, e-mails etc).

Até a mídia televisiva transformou-se. Em programas de TV dos anos 1980 e 1990, o tempo de cada cena era muito maior do que é nos programas atuais, que se adaptaram à atenção mais curta dos telespectadores. Revistas também fazem reportagens cada vez mais curtas. Muitas pessoas já não conseguem mais ler integralmente, elas apenas “passam os olhos”. Hoje em dia, os familiares vão almoçar ou jantar algemados aos seus celulares. Destarte, obstrui-se o tempo para conversas caseiras. Se cada um estiver hipnotizado em seu celular ou smartphone, que interação familiar sobrevirá e que diálogo ocorrerá? Nenhuma coisa.

No momento as pessoas estão muito empolgadas com a tecnologia e agem como crianças em uma loja de doces: querendo experimentar tudo. Muitos pais talvez se preocupem com o tempo gasto por seus filhos – e por eles próprios – na internet, mas provavelmente poucos (pais e filhos) ousariam passar seis meses completamente longe da web, da TV e de smartphones. Porém uma coisa é certa, qualquer família que não fica algemada às redes sociais da web , que não seja  obcecada pela tecnologia, consegue atrair amigos e parentes e acende a chama da boa conversação presencial com pessoas queridas.

Sem os exageros acima, e considerando que o mundo está passando por intensas mudanças, principalmente aquelas movidas pela força do instinto, em que a violência substitui o diálogo e a compaixão perde para o ódio, cremos que o espírita pode e deve recorrer às mídias tecnológicas onde encontra excelente meio de divulgação doutrinária, “em face da sua facilidade, versatilidade, abrangência, interatividade e baixo custo (é corriqueiro notarmos celulares nas mãos de cidadãos de todas as classes sociais).

Com as novas mídias tecnológicas interligadas pela Internet consegue-se atingir uma população anônima que não pode ou nem sempre vai a um Centro Espírita. Ao ponderarmos sobre a capacidade de persuasão das novas mídias, somos compelidos a refletir sobre a antevisão de Kardec no século XIX, quando pronunciou: “uma vulgarização em larga escala, feita nos jornais de maior circulação, levaria ao mundo inteiro, até às localidades mais distantes, o conhecimento das ideias espíritas, despertaria o desejo de aprofundá-las e, multiplicando-lhes os adeptos, imporia silêncio aos detratores, que logo teriam de ceder, diante do ascendente da opinião geral.”[4]

Nos dias de hoje, existem inúmeros grupos de estudo e discussões sobre temas espíritas, na Internet, com um conteúdo magnífico. Não há dúvida de que é um excelente instrumento de divulgação, especialmente, pelo fato de atingir longas distâncias, e, até mesmo, outros países, onde a Doutrina Espírita, ainda, é pouco conhecida. Pela rede de computadores, surge uma nova Era para o movimento espírita, sobretudo, na diretriz dada por Ismael ao Brasil.

Há dois mil anos, Paulo de Tarso teve que andar a pé, cerca de 15 mil quilômetros, para divulgar a Boa Nova. Hoje, Deus nos oportuniza, do conforto da nossa casa, participar de estudos interativos em “salas espíritas” – a exemplo do uso do Paltalk – e, com isso, espalharmos a Terceira Revelação aos mais longínquos recantos da Terra.

Por essas relevantes razões, “é interessante que as Casas Espíritas busquem os recursos tecnológicos como retroprojetores, data shows, áudios, vídeos, filmes, microfones, caixas de som e todo ferramental disponível que seja útil e aplicável para o aprendizado das Verdades da Vida, mas, principalmente, através desse imenso e irreversível universo de utilização da Informação por meios eletrônicos.” [5]

Devemos acreditar na força da realidade virtual como meio prestigioso de publicação espírita. Entendemos que em poucos anos as novas mídias tecnológicas através da Internet serão as maiores vias de interação do movimento espírita mundial. Por esses recursos tecnológicos os livros espíritas poderão ser disponibilizados em hipertexto , em versões de consulta simplificada. Relatos específicos deverão ser colecionados e indexados para pesquisa rápida. Atualmente pode ser disponibilizada nas novas mídias toda literatura das obras básicas da Doutrina dos Espíritos. Ou seja, estamos diante da possibilidade de construir e acessar instantaneamente todas as informações espiritas em todos ambientes culturais da Humanidade.

Jorge Hessen

Referências:

[1] Disponível em http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/01/110106_winterdisconnect_pai.shtml acessado em 05/12/2014
[2] Psicóloga ocupacional, do centro de pesquisas em psicologia e comportamento da Universidade Coventry (Grã-Bretanha).
[3] Disponível em http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/08/140816_smartphones_sempre_ligados_pai.shtml acessado em 05/12/2014
[4] Kardec, Allan. Obras Póstumas -Projeto 1868, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 2001
[5] Macedo, Reinaldo. Espiritismo e Tecnologia da Informação (palestra realizada em 25.08.08 por ocasião da 44ª. Semana de Confraternização dos CEs do Méier e Adjacências no CENMC – RJ). Reinaldo é o Webmaster do site http://jorgehessen.net – ver este estudo no ítem 44 de 2008.

Tags:

5 Comments to “ESPIRITISMO PERANTE AS NOVAS TECNOLOGIAS”

  1. Zirlene diz:

    Acho incrível esse poder tecnológico…, faço estudos enriquecendo meu aprendizado. ajudo minha filha com pesquisas escolares… Mas temos que ter o equilíbrio em tudo… como já dizia Paulo, Tudo me é lícito , mas nem tudo me convém.. Então que façamos o bom uso.

  2. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Meu caro Jorge, eu acho que o advento da Internet, com todas as suas consequências era algo previsível, pois o bicho homem é social e comunicativo. Portanto teria que bolar essas facilidades que começaram nos computadores em rede e se estenderam aos telefones, que também se transformaram em computadores. Hoje, tudo é computador.

    Com todos esses benefícios de acesso à informação vem de carona a futilidade, que prende tanto a atenção das pessoas com bobagens de toda sorte, que as tornam reféns desses brinquedinhos de mão, e que fazem circular, além do que realmente é necessário, tanta porcaria e inutilidade, chamando-nos a atenção o tempo todo. Toda hora apitam os alarmes em nossa mão trazendo-nos coisas que não pedimos. A minha caixa postal eletrônica é uma verdadeira lata de lixo, e todos os dias tenho que limpar o que não pedi pra receber.

    Mas acho que isso era inevitável, e me chama a atenção o quanto se perde tempo com tanta futilidade, papos vazios e muita bobagem circulando, obrigando o emprego do cérebro para processar esse besteirol, o tempo todo. É a herança das facilidades da comunicação na rede.

    Geraldo Magela Miranda

  3. Wanderlei diz:

    Olá

    Jorge Hessen…

    Para mim o que e mais importante… E levar de todas as formas os ensinamentos de Cristo através da Doutrina Espírita… Usando todos os mecanismos… Para que a verdade chegue a todos… E não para uma casta….Assim como acontece atualmente…. A Doutrina Espírita se expraia através da NET…

    Fica com Deus

    Wanderlei

  4. Arnaldo de A. Rocha diz:

    Meu bom amigo Jorge Hessen,

    Acabei de acessar o seu artigo por meio do meu iphone.
    Você segue o exemplo de Allan Kardec, que era tido como o bom senso encarnado.
    Concordo com as lúcidas colocações feitas em seu artigo, na certeza de que a evolução tecnológica existe para o bem da humanidade, apesar dos excessos, dos desequilíbrios e dos interesses mesquinhos dos que utilizam esses meios de forma indevida. Tudo é uma questão de tempo! Portanto, sigamos confiantes!
    Arnaldo A. Rocha

Deixe um comentário