Nenhuma sociedade é plenamente feliz

Set 24th, 2018 | By | Category: Artigos

vovõ1O vocábulo felicidade deriva do latim felicitas que vem de felix (ditoso, afortunado, feliz). Num sentido amplo é a ausência de todo o mal, e vivência plena do bem. Em geral, um estado de satisfação devido à própria situação do mundo.

Desde a década de 80 do século XX há uma chamada “ciência da felicidade”, e alguns pesquisadores, ainda no universo do paradigma oficial utilitarista, estão tentando criar umíndice econométrico, a tal “Felicidade Interna Bruta”, capaz de medir o nível de felicidade dos cidadãos de um país. Os estudos apontam, por exemplo, que a riqueza não consolida a felicidade das pessoas no mundo desenvolvido. Proteger um crescimento econômico continuado não significa ter como objetivo uma sociedade mais feliz.

Países nórdicos como Finlândia, Noruega e Dinamarca ocupam os primeiros lugares em rankings de felicidade e bem-estar. Todavia, um relatório do Conselho de Ministros Nórdicos e do Instituto de Pesquisa da Felicidade de Copenhague sugere que a reputação dos países nórdicos como “terras da felicidade” estão mascarando problemas importantes de alguns segmentos da população, especialmente dos jovens entre 16 e 24 anos.

O pesquisador Michael Birkjaear afirmou ao jornal britânico The Guardian que os mais jovens estão sozinhos e estressados e têm desordens mentais. Há uma epidemia de transtornos mentais e de solidão nos países nórdicos. No período de cinco anos da pesquisa, só na Noruega houve um aumento de 40% no número de jovens que pediram ajuda por dificuldades relacionadas à saúde mental.

O relatório diz ainda que na Finlândia, classificada como o país mais feliz do mundo em 2018, o suicídio foi responsável por 35% de todas as mortes nessa faixa etária.

Embora 3,9% das pessoas na região nórdica tenham citado níveis classificados como “sofrimento”, essa taxa em outros países é muito maior: 26,9% na Rússia e 17% na França. Sob esse ponto de vista, as perspectivas na Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia ainda são relativamente cor de rosa, mas não são tão perfeitas quanto algumas a pintaram. (1)

A felicidade é uma atraente sensação que experimentamos de euforia, uma percepção vivaz; todavia ela não ocorre em condições contínuas e permanentes, porquanto felicidade não é o mesmo que euforia. Alguns procuram estados eufóricos sob efeito dos fármacos psicoativos. Em verdade, se a felicidade não for simples, se ela for ornada em excesso, inchada de coisas inúteis, nesse caso não é felicidade, é apenas ilusão.

Mas será que “pode o homem gozar de completa felicidade na Terra?” Os Espíritos afirmam que não! Por isso que a vida nos foi dada como prova ou expiação. “Depende de cada um a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra.” (2)

Não podemos esquecer que a Terra é um mundo atrasado sob o ponto de vista moral. Por isso, a felicidade total não se encontra aqui no orbe, todavia em mundos mais evoluídos. Em nosso planeta, a felicidade é relativa, conforme encontramos descrito no item 20 do capítulo V de “O Evangelho segundo o Espiritismo”. (3)

A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desventura de outro. Nenhuma sociedade é perfeitamente feliz, e o que julgamos ser felicidade quase sempre camufla penosos desgostos. O sofrimento está em todos os lugares. As amarguras são numerosas, porque a Terra é lugar de expiação. Quando a houvermos transformado em morada do bem e de Espíritos bons, deixaremos de ser infelizes, assim, enquanto houver um gemido na paisagem em que nos movimentamos, não será lícito cogitar de felicidade isolada para nós mesmos.

Referências bibliográficas:

[1] disponível em https://www.bbc.com/portuguese/geral-45320175%20 acesso em 06/09/2018

[2] KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, RJ: Ed FEB, 2000, perg. 920

[3] Kardec, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo, RJ: Ed FEB, 2003, item 20, Cap. V

Tags:

2 Comments to “Nenhuma sociedade é plenamente feliz”

  1. GERALDO MAGELA MIRANDA diz:

    Parece bastante razoável que não haja felicidade plena na Terra, visto ser um ambiente ainda atrasado moralmente, em que chegamos justamente para correção de nossas imperfeições.

    Apesar disso, podemos sentir momentos de felicidade, quando assumimos uma postura mais humilde, chegando até a agradecer pela nossa saúde, capacidade etc.

    Mas não se pode ser feliz o tempo inteiro – isso tornaria a vida sem sentido e acarretaria também problemas mentais porque passaríamos a questionar esse estado constante de fulgor e satisfação. Meio maluco, não é?

    Parece que o grande lance é mesmo o autoconhecimento, na consciência de nossas limitações e sua aceitação, ao lado de nossas qualidades. Esse reconhecimento é que traz o verdadeiro equilíbrio de que necessitamos ao longo de nossa existência.

    Um abraço fraternal

    Geraldo Magela Miranda

  2. PEDRO ILHO diz:

    NENHUMA SOCIEDADE É PLENAMENTE FELIZ AQUI NA TERRA DEVIDO ÀS CONDIÇÕES DE EVOLUÇÃO DO NOSSO PLANETA. ENQUANTO A TERRA ESTIVER NA CATEGORIA DE PROVAS E EXPIAÇÕES, NÃO TEREMOS PAZ PLENA!!!

Deixe um comentário