Posts Tagged ‘ morte ’

A CONSCIÊNCIA NÃO JAZ SOB ALGEMA NA MASSA CRANIANA

Jul 12th, 2016 | By
consc

O pesquisador materialista afirma que a consciência humana (ou o espírito) é resultante exclusivo das funções cerebrais e está confinada no crânio. Para ele, quando o corpo morre a consciência (ou o espírito) desaparece. A rigor, não existem proposições científicas que apoiem a sobrevivência da alma após a morte, e muito menos a comunicação dos
[Mais…]



MORTE, UM TEMA QUE AINDA GOLPEIA ANSEIOS E AFLIGE SENTIMENTOS

Mai 15th, 2016 | By
defunt

O homem contemporâneo, que investiga desde o micro ao macrocosmo, cambaleia ante os vestíbulos da sepultura com a mesma amargura dos egípcios, dos gregos e dos romanos de épocas recuadas. Os milênios que arrasaram civilizações e refundiram povos não transformaram a emblemática expressão do túmulo. Infinito ponto de interrogação, a morte continua ferindo sentimentos e
[Mais…]



DIANTE DE UM FILHO, CUJO CORPO GÉLIDO JAZ DEITADO NO CAIXÃO

Nov 16th, 2015 | By
aaaamorte filhos

O que poderíamos explanar, evitando a redundância, perante o depoimento abaixo da escritora Graziela Gilioli [1]? Impossível não admirá-la, reverenciá-la. Num dos mais marcantes episódios de sua vida, ela declarou que durante os quase dois anos em que o seu filho caçula (à época com 14 anos) esteve internado no hospital com o diagnóstico de
[Mais…]



OS “CÁLICES VIVOS” DOS MORTOS

Dez 3rd, 2014 | By
bebeb

O álcool é a droga legalizada preferida entre muitos jovens e a faixa etária para o início do consumo tem sido cada vez mais baixa nos últimos anos. Enquanto que na década de 1960 a média de idade para início do consumo de álcool era de 17 anos, nos últimos 15 anos essa média caiu
[Mais…]



A DESENCARNAÇÃO É A CERTEZA FUTURA QUE TEMOS.

Ago 17th, 2012 | By
morte

Quando pessoa querida desencarna é crucial resignar-nos, observando no fenômeno da “morte” a manifestação da Lei de Deus que governa a vida. A desencarnação é a única certeza futura que temos. Todos passaremos por essa provisória despedida. Não há como tapearmos o pensamento a respeito desse impositivo da natureza. Em face disso, permitamos que o
[Mais…]